FECHAR  ✕
Entre em Contato
Obrigada pelo interesse em meu trabalho! Por favor, preencha o formulário abaixo para entrar em contato comigo.

Obrigada! Sua mensagem foi enviada!

Oops! Ocorreu um erro ao enviar o formulário.

A timidez que te impede de avançar

Daniela S. Nassetti
|
Opinião/Reflexão
|
18/11/2015
Opinião/Reflexão

Tenho certeza que você, meu amigo leitor, deve ter em algum momento da vida passado por uma situação semelhante na vida pessoal ou profissional. Aquele momento em que cedemos lugar à timidez. Começa com o coração palpitando acelerado, o incômodo na garganta, o frio na barriga. Dependendo do nível até as mãos tremem, um formigamento abusivo e nada convidativo que chega de repente e você não faz ideia do que fazer. Nos dizem para imaginar que o público está nu, respirar fundo, contar até dez. Nada. E quando você canta então fica ainda mais difícil tentar respirar pelo diafragma. Desespero ameaçador.

O post de hoje envolve algo mais pessoal, pois não sofro com a timidez na minha profissão em si, mas em uma outra área que é um hobby para mim, o canto, e gostaria de poder compartilhar isso com as pessoas para que, de alguma forma, quem também tiver problemas relacionados possa enfrentá-los assim como eu tento, haha.

Sempre gostei de cantar, desde criança. Estudei em uma escola bilingue/bicultural e tive várias matérias interessantes, incluindo aulas de música. Eu sempre fui muito tímida e olha que hoje em dia eu nem sou tanto mais, mas ainda tenho um pavor que me atormenta desde criança: cantar na frente dos outros. É até irônico me “ver” hoje cantando num app (o Sing! do Smule) para todo mundo ouvir sendo que quando eu era criança morria de vergonha — nas aulas de música, quando o professor ia escolher alunos para cantar em apresentações na escola, eu cantava bem baixo de propósito. A voz baixa era praticamente um grito interno de “escolhe eu não”. Devia ter uns 7 ou 8 anos.

Ainda tenho pavor de cantar em público. Já cantei algumas vezes na escola, na época da pré adolescência, coisa boba, entre poucas pessoas… mas se tivesse muita gente, eu meio quetravava algumas vezes. Era como o Windows, dava bug, tela azul, erro. O pessoal não se importava tanto com isso porque sabia que eu era tímida — eu já logo avisava. Quando não estou nervosa ou sozinha é outra coisa, é tranquilo. É um hobby que me acalma em momentos difíceis e me faz sentir tão bem!

Sinto que seria bom para mim perder esse medo. O app vem ajudando a melhorar a voz e é extremamente divertido gravar com outras pessoas que também compartilham o amor pela música… mas uma coisa é gravar sem ninguém olhando e em um quarto fechado… Outra coisa bem diferente é cantar na frente dos outros. Venci tantas barreiras da timidez ao longo da vida… Menos essa. Nem quero ser cantora profissional, não é meu foco. Eu gosto de cantar por simplesmente gostar. É um hobby que me faz bem, sabe? Fico imaginando como seria se eu realmente quisesse viver da voz! Com certeza não seria fácil vencer essa barreira, mas talvez a obrigação providenciaria um esforço a mais. Agora, imagino quem sofre de timidez na própria profissão em que atua. Imagina, por exemplo, um advogado que tem vergonha de falar em público? Ou até mesmo alguém que gosta ou se formou em uma determinada profissão, mas se sente despreparado para exercê-la.

Tudo faz parte de um processo, um crescimento tanto pessoal quanto profissional.

No meu caso, acho que não me preocupo tanto em vencer a timidez de cantar em público por conta de ser apenas um hobby, mas não deixa de me incomodar. Nunca se sabe quando precisará… usar. Claro, difícil em alguma situação da minha vida atual eu ser obrigada a viver de cantar, mas nunca se sabe. E como é chato você ter algo legal a oferecer e não poder compartilhar direito com as pessoas por causa da timidez. Entretanto, como eu disse logo acima, tudo faz parte de um crescimento tanto pessoal quanto profissional. Acredito que ao arriscar aos poucos podemos vencer muitas barreiras. Na minha infância eu nem conseguia falar direito com as pessoas e hoje isso não é problema mais. Todo dia é dia de aprender e de vencer barreiras. Para mim começou com o app, quem sabe amanhã eu já consiga até gravar um vídeo? Veremos. Não importa o tempo que leve, mas eventualmente conseguimos sim. Depende de querer.

Agora deixo-vos com algumas das minhas gravações lá no app que considero mais legais! Enjoy!

Solos:

Duetos:

Clique aqui se quiser ouvir mais lá no meu perfil. OBS: a imagem que ilustra esse post foi fruto de uma montagem que fiz no fim de semana passado para treinar colorização/manipulação de fotos. O legal é que meu amor pelo Design começou com esse tipo de trabalho… fazia layouts de blog e manipulação de fotos e ficava horas aprendendo código. Bons tempos!

Daniela S. Nassetti
Designer Gráfico formada pela Escola Panamericana de Arte e Design. É também escritora, web designer e ilustradora.

Posts ReLACIONADOS

Receba atualizações por e-mail:

Obrigada! Sua inscrição na newsletter foi efetuada!

Oops! Ocorreu um erro.