Entre em contato
Obrigada pelo interesse em meu trabalho! Por favor, preencha o formulário abaixo para entrar em contato comigo.

Obrigada! Sua mensagem foi enviada! :)

Oops! Ocorreu um erro ao enviar o formulário.
Verifique as informações e tente novamente.

MENU

Dicas de materiais para começar a desenhar

Daniela S. Nassetti
|
Dicas
|
August 25, 2015
Dicas

Por sugestão de uma amiga, resolvi falar de um assunto bem relevante para quem quiser embarcar no mundo do desenho: materiais. Por onde começar e o que comprar (sketchbooks, tipos de papel, canetas, lápis, etc) para quem quer treinar, principalmente, desenhos à lápis, nanquim e pintura em aquarela.

Muitos costumam achar que a qualidade do material é que fará diferença no resultado final e não é bem assim. O que faz a diferença é o treino, investir em tempo para desenhar — estudar referências através de fotos, treinar os olhos a observar detalhes ou quem sabe até mesmo, para quem puder, fazer um curso, embora hoje em dia a quantidade de informação e estudo que podemos obter através da internet é exponencial e também pode ser fundamental para dar aquela guinada inicial.

O sonho pode ser para longo prazo, mas o investimento em experiência é para agora.

Não há nada de errado em querer comprar os materiais mais caros que você encontrar, mas acredite, não vale a pena gastar demais sem antes adquirir experiência, pois é ela que te guiará para um resultado incrível a longo prazo. Eu mesma já me deparei alguns momentos com aquela vontade gigantesca de comprar, por exemplo, um estojo da Faber Castell com incríveis lápis pastel (pois eles tem uma melhor pigmentação), mas não compensa comprá-lo no momento se eu posso usar um estojo simples e barato da mesma marca — apesar de não serem pastéis — daqueles que você encontra em qualquer livraria ou papelaria (ou melhor, encontrava, já que agora estão na moda os livros de colorir, haha). Ou quem sabe um estojo de giz pastel que é barato também! Já obtive muitos bons resultados e tenho certeza que independentemente de qual eu comprasse, o resultado seria o mesmo, pois eu preciso adquirir mais experiência. Hoje, depois de alguns anos desenhando, até arriscaria, mas o preço de um estojo desses varia de R$ 300,00 – R$ 700,00 ou mais. Pois é. É caro por ser uma linha profissional. A carteira chega a tremer.

Para quem quer começar, recomendo muito que treine — e muito! — luz e sombra. Quando comecei, passei dias e mais dias (anos, na verdade) treinando observação utilizando fotos como referência. Você pode tentar copiar a foto para treinar os valores de luz e sombra ou também pode utilizá-la apenas de base para criar um desenho, explorando um conceito próprio. Precisa ter muita paciência, pois não é da noite para o dia que você se tornará um desenhista profissional. Tem que treinar sem parar! Mesmo!

Vamos, agora, para uma lista básica de coisas que você irá precisar, dependendo do que você quer treinar. Eu, sinceramente, recomendo muito que você comece desenhando à lápis, mas vai do processo de cada um. Para mim funcionou bem começar do lápis e depois explorar outros estilos. Existem inúmeros vídeos e cursos online que podem te ajudar a entender melhor o processo. Neste post, porém, só darei dicas para que você possa ter um material para começar sua jornada pelo mundo do desenho.

 

Papel

Adoro usar blocos da marca Canson, tanto por costume — sempre usei desde pequena na época da escola — quanto pelo preço. Recomendo que você utilize blocos de 200 g/m² (pode ser menos gramatura também, depende da sua preferência) para desenhos à lápis e blocos de 300 g/m² para aquarela. Quanto maior a gramatura, mais grosso e firme é o papel. Os papéis Canson vem com um lado texturizado e outro liso — aí vai de gosto. Cabe a você escolher qual lado do papel causa melhor efeito para a sua arte. Também é legal ir numa papelaria e sentir o papel, entender a diferença das superfícies. Lembrando que, independentemente do tipo de papel, você pode começar a desenhar agora com um lápis qualquer e um simples sulfite ou caderno. O importante no início é explorar e identificar qual o melhor material para si. Um bloco Canson A4 de 300 g/m², por exemplo, custa em torno de uns R$ 18,00; o A3 custa em torno de R$ 35,00. Já os de 200 g/m² entre R$ 14,00 (A4) e R$ 25,00 (A3).

Se você tiver interesse, é legal ter um sketchbook para levar consigo para qualquer lugar e treinar a qualquer momento. Adoro os sketchbooks da marca Moleskine, porém são caros — de R$ 80 para cima. Gosto muito por conta da gramatura do papel. A linha sketchbook deles é de ótima qualidade e serve tanto para desenhos à lápis quanto nanquim e aquarela (até outros estilos também). Entretanto, recomendo para quem estiver começando comprar um mais em conta, como os sketchbooks da Cícero. Custam em torno de R$ 30,00 e são razoáveis, embora a gramatura do papel seja de 80 g/m². Já sofri algumas vezes na hora de apagar um desenho, pois o papel às vezes amassa… é algo que me incomodava muito, mas é uma frescura minha, hahaha. Aliás, aCanson também fabrica uma linha de sketchbooks com preços acessíveis!

 

Lápis e acessórios

No início, comecei com um lápis HB, 2B e 6B. Hoje uso, também, um 8B para criar sombras ainda mais escuras que o 6B. Gosto de usar o HB ou 2B para criar o sketch (a base, rascunho do desenho) e depois ir melhorando os detalhes e sombras usando o 2B, 6B e 8B. Gosto dos da Faber Castell ou Koh-I-Noor. Os preços geralmente variam de R$ 5,00 à R$ 10,00 cada. Gosto de usar o esfuminho, também, para dar uniformidade e acabamento aos meus desenhos, mas recomendo utilizá-lo com cautela e quando você se sentir mais preparado(a). Eles vêm em tamanhos de 1 à 9 e custam em torno de R$ 4,00. Não se esqueça de comprar um limpa tipos — é uma borracha superior às comuns que você encontra por aí, é flexível e absorve melhor o grafite para apagar, principalmente, traços feitos com lápis mais fortes como o 6B.

Diferenças entre o lápis HB, 2B e 6B. Você pode também se aventurar com um 4B se quiser! O segredo mesmo está no treino, conforme você acostuma, seu traço melhora e fica mais suave.
Borracha limpa tipos que utilizo, da marca Koh-I-Noor.

Nanquim e Marcadores

Às vezes sofro para conseguir as canetas que eu quero, pois onde moro é difícil encontrar lojas que as tenham então acabo por optar pela compra online (na Casa do Artista, geralmente). Outro dia eu estava atrás de uma Micron 0.05 (que é bem fininha e perfeita para criar hachuras de sombra em desenhos de nanquim) e nada. Até tive sorte de encontrar 0.1, 0.2 e 0.3 tanto da Micron quanto da UniPin, pois eu queria testar e ver quais seriam melhores para mim. Cada caneta custa em torno de uns R$ 18,00 mais ou menos. Gostei muito da Micron, mas a UniPin também não deixa a desejar. Para traços mais grossos, recomendo pegar uma 0.5 e 0.8 também de uma dessas marcas. Para a 0.5, quando comecei, usava a Stabilo. Não é ruim, mas costuma borrar o papel do outro lado, então não recomendo.

Tem gente que gosta de trabalhar com marcadores também, são bem legais. Lembro que no começo do curso que tive aprendemos a trabalhar com marcadores de tons de cinza para entender melhor os valores de luz e sombra. Na época, o professor nos havia indicado a marca Magic ColorComprei na época um estojo que vinha com 6 tons de cinza (3 cinzas quentes e 3 cinzas frios) e o preço era razoável — em torno de R$ 20,00 o estojo, e eles tem outros estojos com várias cores.

Eu sou simplesmente apaixonada pelas canetas da marca Tombow. As que tenho (que você pode ver nas fotos acima) são de uma linha que é dual brush (ABT). São duas pontas: uma é um pincel e a outra é um marcador. São ótimas para quem quer se aventurar no brush lettering também. Custam por volta de R$ 20,00 cada. É vendida em muitas outras cores além do preto. Apesar de a Tombowser bem mais cara, tem a vantagem do pincel. Se não me engano, porém, não são vendidas em estojos, apenas separadas.

Outros gostam bastante das canetas Copic. Eles tem várias linhas interessantes. Eu particularmente nunca usei, mas tenho interesse, pois parecem ser boas. Fica a dica para quem quiser testar.

Só de olhar para essa linha Sketch da Copic eu me empolgo, hahaha.

 

Aquarela

Para os que querem embarcar no mundo da aquarela e, assim como eu, estão ainda em fase inicial, recomendo ter no mínimo uns 3 pincéis: um fino, um médio e um grande. Atualmente uso 2, embora tenha uns 4 ou 6 aqui diferentes para testar (hahaha). O meu favorito é o Koi (Sakura) — preços variam de R$ 20,00 à R$ 22,00 cada dependendo do tamanho que você for comprar. Dizem que os pincéis da Wen são muito bons também, ainda não usei. Na Casa do Artista tem vários pincéis bacanas e interessantes. Você pode conferir clicando aqui. Recomendo usar pincéis arredondados por serem mais fáceis de manusear. O outro pincel que costumo usar é da linha artística da marca Tigre que, aliás, é muito bom também.

Estojo da marca Van Gogh, godet, pincel Koi e pincel Tigre, respectivamente.

Quanto à aquarela em si, eu tenho um estojo com várias cores em pastilhas da marca Van Gogh. São bons, mas faz tempo que comprei e não lembro o preço exato, mas não foi muito barato não, hahaha (creio que foi em torno de R$ 100,00!). Recomendo procurar por aquarelas em tubos, acho que sai mais barato. A marca Pentel tem estojos de tubos com 12 à 24 cores por preços que variam de R$ 42,00 à R$ 90,00. Você também pode optar por comprar os tubos separadamente. Recomendo comprar um godet também para poder misturar as cores. Geralmente são baratos.

Tubos de aquarela da Pentel.

Espero que com essas dicas vocês já possam começar a brincar!

Daniela S. Nassetti
Designer Gráfico formada pela Escola Panamericana de Arte e Design. É também escritora, web designer e ilustradora.

Posts ReLACIONADOS

Receba atualizações por e-mail:

Obrigada! Sua inscrição na newsletter foi efetuada!

Oops! Ocorreu um erro.